sábado, 30 de abril de 2016

Nelson Vanni



Olha ai o Nelson, carinhosamente chamado de "Lula" (mas não é "aquele"), participando do encontro de motociclista em Barretos/SP; o famoso "barretão". Valeu Lula, sinto saudades do encontro no passado que estivemos ai. Valeu gordooooooooooo....!



OPINIÃO DE PRIMEIRA

A HISTÓRIA ENSINA SOBRE A TEORIA DA TERRA ARRASADA

Ao fim da Segunda Guerra, já perdida, Adolf Hitler ordenou ao seu então ministro fiel, Albert Speer, que saísse pela Alemanha destruindo tudo o que pudesse. A intenção era deixar apenas terra arrasada para os inimigos que invadiam seu país, depois de anos de tortura, violência e morte levada pelos nazistas pelo Planeta afora. Hitler dizia que se os alemães não era grandiosos para vencer seus inimigos, não mereciam sobreviver como Nação.  Depois dele, muitos outros fizeram coisas horríveis, embora nunca piores. Por perto, estamos vivendo uma situação - claro que em intensidade e resultados muito menores –  assemelhada na filosofia. Na Venezuela, agarrado ao cargo, mesmo vendo seu país sendo arrasado, Nícolas Maduro, com o apoio de uma minoria e dos ministros da Suprema Corte, fieis a ele e ao seu esquema destrutivo, prefere a terra arrasada a deixar que seu povo sobreviva em melhores condições. É a filosofia dos ditadores, ensinada por Hitler: se o povo não consegue destruir os inimigos, que padeça. A História ensina quem quer aprender com ela. Basta largar um pouco o Facebook e ler alguns livros, para saber que as coisas se repetem, no decorrer dos tempos, às vezes como drama, às vezes como farsa.
No Brasil, certamente, essa regra da terra arrasada não sobreviveria, embora alguns poderosos, seus acólitos mais próximos e outros que se acham deuses (sem eles, nada vale a pena!), prefiram o país destruído do que vê-lo sobreviver sob novos rumos. A Presidente Dilma agarra-se ao poder de todas as formas; o ex presidente Lula faz amarrações para tentar sobreviver politicamente e o presidente nacional, Rui Falcão, insinua até luta armada. Mas eles não têm coragem. Aqui, o povo é outro e nossas instituições estão tão sólidas quanto estavam quando o PT tirou Collor da Presidência. Aqui não, violão!
O CLIMA MUDA - Os sulistas saudosos comemoram a quarta feira fria em Rondônia. Na região de Vilhena, os termômetros despencaram e  até na sempre quente Capital,  Porto Velho, a temperatura baixou dos 20 graus, em alguns momentos da noite. Merece também registro o acerto da meteorologia, que com cinco dias de antecedência antecipou a mudança no clima da região norte. Antes do final de semana, contudo, as coisas começam a voltar ao normal e o rondoniense continuará suando. Quando o ápice do verão amazônico começar, a previsão é de que teremos temperaturas acima dos 40 graus, na região de Porto Velho.
CONSTRUÇÃO PARADA - Depois de alguns anos de grande crescimento, a construção civil em Rondônia também passa por maus momentos, em função da grande crise econômica. Pelo menos 1.500 trabalhadores do setor estão à procura de emprego e as perspectivas, ao menos por enquanto, não são boas. Segundo o presidente do Sinduscon-RO, o empresário Emerson Araújo, das 90 empreiteiras associadas à entidade, muitas estão totalmente paradas, pela falta de projetos e empreendimentos do setor.  O próprio Sinduscon sentiu no bolso o aperto do momento: a arrecadação da entidade, que é uma das maiores instituições patronais do Estado, caiu 16 por cento nesse ano. A expectativa é de que, com a mudança provável de governo e alguma reação na economia, as coisas comecem a ficar menos ruins a partir do segundo semestre. Mas isso, por enquanto, é apenas estudo de futurologia...
MOSQUINI ELOGIA - "O governador Confúcio Moura  tem sido incisivo nos cortes de gastos públicos, no controle das despesas do Governo do Estado e tem obtido sucesso. Rondônia é um dos três Estados do Brasil cujas contas encontram-se no azul. A equipe técnica do Governo tem tratado com austeridade os compromissos públicos, inclusive com relação ao pagamento de salários. O Governador já está no seu quinto ano de mandato, sem nunca ter atrasado um único dia o pagamento dos servidores públicos”. Trecho de longo discurso do deputado federal Lúcio Mosquini, feito essa semana, na Câmara, elogiando Rondônia, seu governo e seu povo.
AGRONEGÓCIO E DUPLICAÇÃO - Mais adiante, Mosquini falou sobre a questão agrícola no Estado e a necessidade de duplicação da BR 364.  Segundo ele, " Confúcio Moura tem transformado Rondônia em um celeiro agrícola".  E acrescentou que, no setor produtivo, merece destaque a Rondônia Rural Show. Apontou ainda  as principais  potencialidades do estado como a produçāo de soja café, milho, arroz, leite e exportaçāo de carne. Ele ainda abordou um tema que é unanimidade entre a população rondoniense: a duplicação da BR 364. Afirmou que já fez diversas cobranças junto ao Ministério dos Transportes para que a chamada "rodovia da morte" seja duplicada, principalmente no trecho Vilhena-Porto Velho. E afirmou que empunhará a bandeira da duplicaçāo com mais força em 2016.
DEFESA DO CRIME - Dá vontade de vomitar! A Anistia Internacional denuncia a violência no Rio de Janeiro, porque a polícia militar matou onze bandidos durante o mês de abril. Foram mais de 360 criminosos mandados para o inferno pela PM carioca, no ano passado. Nem uma linha dessa instituição parcial e dominada pela esquerda, para dizer que, no mesmo período, mais de duas centenas de policiais foram fuzilados por criminosos. Nunca denunciou que PMs do Rio não podem ir para suas casas fardados, porque são mortos pelos bandidos. Jamais a Anistia Internacional denunciou que os PMs, dentro de ônibus ou na rua, quando identificados pelos assassinos do crime, são imediatamente mortos. Lamentável!
PERGUNTINHA - O que quis dizer o Presidente Nacional do PT, Rui Falcão, de que os membros do Partido e os chamados movimentos populares não respeitarão a lei, ao fazerem oposição ao futuro governo de Michel Temer?
Fonte: Jornalista Sérgio Pires / Porto Velho-RO



362. POINT DO MOTOCICLISTA

362. POINT DO MOTOCICLISTA
AVENIDA NAÇÕES UNIDAS COM RUA SALGADO FILHO
PRAÇA DO MOTOCICLISTA
30.04.2016

Mais um Point do Motociclista realizado neste sábado pelos Amigos motociclistas. Como sempre o nosso Point fica cada vez mais fortalecido. Infelizmente desta vez não participei do nosso tradicional encontro deste sábado por motivos de saúde em família. Mas tudo bem, o Point sempre acontece de qualquer forma. Valeu queridos Amigos motociclistas.
Foto: Arquivo do Blog
Fonte: C.I.I.B.C

OPINIÃO DE PRIMEIRA

SONHO DA CASA PRÓPRIA PODE SE TRANSFORMAR EM PESADELO

Não tem infraestrutura. Não tem segurança. Não tem mercado. Não tem farmácia. Nem posto de saúde. Nem escola. Porto Velho ganhou um novo bairro que, em breve, terá mais ou menos 20 mil moradores e...já começou abandonado. Para se ter ideia da situação, são pelo menos quatro assaltos todos os dias. Nos últimos 60 dias, dois homicídios. Tudo é novo, mas não há qualquer tipo de apoio aos moradores. A tal ponto que quem manda no pedaço são os criminosos. Impera a lei do silêncio e ai de quem falar com a polícia, denunciar ou protestar. Dias atrás, o maior defensor do conjunto Orgulho do Madeira, o governador Confúcio Moura, divulgou nas redes sociais comentário em que, em outras palavras, criticou a forma como uma área tão importante para milhares de pessoas, que agora têm sua casa própria, está sendo favelizada.  Ali já vivem algo em torno de duas mil pessoas e, muito em breve, outras duas mil começarão a morar. Se não forem tomadas medidas imediatas para dar ao conjunto um ar de comunidade, de dotá-lo com um mínimo de condições e de segurança, o desenho de que o sonho da casa própria possa se transformar em pesadelo (para muitas famílias já o é), se torna muito provável.
Outro exemplo de que se não houver a intervenção dos poderes públicos, a situação pode se transformar em drama, é em relação a outro conjunto, o Vitória Régia, no bairro Planalto. Ali, os drogados já tomaram conta. Fazem baderna todos os dias, até altas horas da noite e, quem ousa reclamar, é ameaçado, quando não agredido. Bêbados também dão o tom do local e as famílias de trabalhadores se transformaram em refém dos malandros, traficantes e drogados. É o retrato do Brasil: quando os pobres ganham alguma coisa que os beneficia, são abandonados à própria sorte e, danem-se! Que vão viver do jeito que der...
ELES PASSARÃO -  A criação da Comissão que vai julgar o processo de impeachment da Presidente Dilma já está formado no Senado e agora é tudo questão de tempo. Se não houver nenhuma anormalidade (nunca se sabe!), o afastamento da Presidente, para nunca mais voltar, se dará ainda na primeira quinzena de maio. Os aliados da esquerda, que estão se lixando para o país e só querem se manter no poder, obviamente vão fazer de tudo para prejudicar qualquer projeto que signifique o início da recuperação do Brasil, enfiado num precipício sem fundo pelo petismo e seus aliados. Mas, mesmo assim, nosso pais sobreviverá. E eles passarão, felizmente!
OBRA ADIADA -  A crise política no país vai atrasar o andamento de um projeto que poderia começar a ajudar na integração Mato Grosso/Rondônia com maior rapidez. Por causa dela, a comissão do Senado que viria analisar as possibilidades de pavimentação da BR 174, que ligaria Juína, no MT a Vilhena, transferiu a visita para junho próximo. A informação foi divulgada pelo senador Valdir Raupp. A obra seria de grande utilidade para os dois estados, fazendo uma ligação  alternativa à BR 364, encurtando caminhos e servindo para dar mais rapidez, principalmente, ao transporte de soja da região da produção até o sul do Estado, de onde viria para o porto do Madeira, na Capital. Com a crise política, esse e outros projetos estão parados.
 O LADO BOM... - God news sobre obras: o DER recomeçou, nessa segunda, os trabalhos de conclusão das obras do Anel Viário em Ji-Paraná. Não há mais percalços e, caso não surja mais nenhuma daquelas decisões estapafúrdias que já paralisou o trabalho várias vezes, dessa vez tudo indica que tudo vai até o fim. Mais de uma década e meia depois do previsto, mas vai. Já em relação ao Espaço Alternativo na Capital, a fase final de desmembramento da área, que passará a ser do município, permitirá que o trabalho recomece ainda no decorrer de maio. Tudo, é claro, ainda é apenas previsão, já que, com toda a experiência que viveu, a população só vai acreditar mesmo quando ver tudo pronto. Será  que dessa vez a coisa vai mesmo?
 ...E O LADO RUIM! - Bad news sobre obras: de uma hora para outra, sem grandes explicações, a construção da ponte sobre o rio Madeira, em Abunã, está praticamente parada. A construção gigantesca, orçada em 128 milhões de reais e que ligará Rondônia ao Acre, acabando com o serviço de balsa, estava prevista para ser concluída em meados do ano que vem. Mas, pelo jeito, não vai conseguir seguir o organograma, como, aliás, está acontecendo com praticamente todas as obras federais no país. A ponte, de 1.085 metros, estava andando normalmente, com grande número de operários trabalhando. Agora, restaram uma media dúzia e o serviço praticamente parou. O Dnit não explica o que realmente aconteceu e nem quando o serviço será retomado.
BEBUNS À SOLTA! - Perto de 380 motoristas presos, mais de 2.200 multas aplicadas: a Lei Seca e Rondônia, está sendo duríssima com os irresponsáveis que insistem em encher a cara de pinga e outras porcarias e dirigir. Nas inúmeras blitz realizadas pela Polícia Militar, mas também pela Polícia Rodoviária. O número de suspeitos por dirigirem embriagados é assustador. Do total dos que se submeteram ao teste do bafômetro, nada menos do que 15 por cento foram flagrados com  índice de álcool acima do permitido no sangue. Em alguns casos, o volume era de cinco, seus vezes o máximo aceitável. A PM e os demais serviços de segurança no trânsito garantem: vão continuar atrás desses malucos do volante.O que, aliás, faz muito bem a toda a população...
PERGUNTINHA - O Brasil aguenta ainda mais duas semanas do (des)governo Dilma ou o país terá que pedir aos senadores que apressem ainda mais o tal “afastamento temporário”?
Fonte: Jornalista Sérgio Pires - Porto Velho/RO


sexta-feira, 29 de abril de 2016

Cida Prestes





Pronto, ai está um festival Cida Prestes, querida Amiga de longa data, verdadeira operadora do Direito. A Cida é uma Advogada, como podemos dizer, "de primeira linha", competente e muito atenciosa com todos. Carisma forte e simplicidade, além da sua beleza. A Cida reside em Porto Velho/RO.




OPINIÃO DE PRIMEIRA

OS ALIENÍGENAS DE ORSON WELLES E OS MOSQUITOS DA VIDA REAL...

Em Rondônia, os pesquisadores descobriram mais um tipo de mosquito, que pode transmitir novo vírus, pouco conhecido no país. Trata-se da Febre de Oropuche. Os sintomas: febre alta, dores de cabeça, dores nas costas e incômodo nos olhos em áreas iluminadas. Não é algo muito grave, mas mesmo assim é mais uma das muitas doenças transmitidas por um inseto, que está se tornando o maior inimigo do homem: o mosquito. Para os fanáticos por artes e cinema, vale uma analogia com a história da Guerra dos Mundos, criada pelo genial Orson Welles, no final dos anos 30, quando, via rádio, ele encenou um ataque alienígena à Terra. Milhares de pessoas acharam que o evento era real. Na história, os “invasores” só foram detidos por  bactérias, a quem o organismo humano já não era vulnerável. O mesmo parece estar acontecendo, agora, com os vários tipos de mosquitos, que estão causando milhões de contágios e milhares de mortes mundo afora. No Brasil, onde a dengue havia diminuído por alguns anos, ela voltou com força, trazendo consigo a chicuncunya e, pior que tudo, o zika vírus, que causa microcefalia em fetos e muitos outros danos ao organismo.
A saúde pública no Brasil já estava um caos bem antes desse pacote de doenças chegarem (algumas estão voltando), com grande agressividade. Ou seja, o que já era muito ruim, tende a piorar muito mais, com os insetos transmissores de uma série de males se multiplicando em todas as regiões. Em Rondônia, já há ao menos três casos confirmados de microcefalia em bebês nascidos há poucos dias. Há muitos outros, suspeitos. Tal qual os alienígenas de Orson Welles, nosso organismo ainda não suporta tantas doenças transmitidas não por bactérias, mas por mosquitos, esses outros seres minúsculos, que estão causando danos enormes aos brasileiros e à toda a Humanidade.
HELICÓPTERO EM AÇÃO - Ação da polícia em Ariquemes, na última sexta, demonstrou que, com os meios necessários, há sim como combater o crime com rapidez. Dois bandidos roubaram o carro de um cadeirante (suspeito de envolvimento com drogas) e usaram o veículo para diversos assaltos. A PM utilizou um dos helicópteros  da segurança publica para localizar os criminosos. Não deu outra: em pouco tempo, os bandidos foram presos, o carro recuperado e o cadeirante libertado, já que estava sendo mantido em cativeiro pelos outros criminosos. O deficiente físico traficante seria parente de gente da polícia, segundo ouve-se nos bastidores.
DESEJO DA MAIORIA - Nessa segunda será instalada a comissão do Senado que vai decidir por pedir o afastamento ou não da Presidente da República. A tendência é que o processo corra rapidamente e, provavelmente na segunda semana de maio, o assunto já esteja definido. A perspectiva é de que o Brasil tenha novo Presidente antes que junho chegue. Obviamente, os derrotados, sempre uma minoria barulhenta e que não aceita ser derrotada, vai tentar fazer de tudo para prejudicar o país (mais do que já tem feito). Mas, sem eles no poder, há ao menos chances do Brasil se reerguer. Se eles continuarem, a chance é zero.  Tomara que prevaleçam os interesses maiores do povo brasileiro!
PRESENTE AO PREFEITO - O prefeito de Ji-Paraná, Jesualdo Pires, vai ganhar nessa segunda um presente de aniversário, embora com dois dias de atraso. Neste sábado ele comemorou mais um ano de vida e, nessa segunda, o DER vai presentear Jesualdo e toda a comunidade com o reinício das obras do Anel Viário. Há mais de uma década e meia o Anel começa, pára, começa de novo, pára... e, é claro, nunca é concluído. O diretor geral do DER, Ezequiel Neiva, garante que dessa vez a obra vai até o fim. Jesualdo, que não vai disputar a reeleição, por uma dessas decisões surpreendentes da política, embora tenha uma aprovação excepcional, quer ver o Anel Viário pronto, antes de deixar o cargo, no início do ano que vem...
OS MORTOS E O FUTEBOL - Uma cena chocou milhões de brasileiros e viralizou na internet. Ao lado de dois corpos, vítimas da queda da ciclovia de 45 milhões de reais que durou menos de três meses, no Rio de Janeiro, várias pessoas jogavam futebol tranquilamente, na praia. Como se os dois mortos não existissem. Como se a tragédia deles nada tivesse a ver com nosso país da corrupção, da vergonha, da impunidade.  Os dois mortos estão ali, rostos cobertos. O único cuidado dos jogadores de praia é para que a bola não fosse para o lado dos cadáveres, porque então eles poderiam ser observados mais de perto e, quem sabe, houvesse algum sentimento de tristeza ou pena. Parece que temos mesmo um povo que perdeu a noção de amor, respeito e solidariedade. Incrível!
PRÊMIO DA SUJEIRA - A Escola Estadual Roberto Duarte, no bairro Igarapé, está prestes a ganhar um prêmio: a de possuir o banheiro mais sujo, fedorento e imundo de toda a estruturar educacional de Rondônia. Alunos e pais de alunos já reclamaram várias vezes, mas a direção da Escola diz que a culpa é dos estudantes, que transformam o banheiro num lixão. Mas há alunos que não querem mais ir às aulas, porque se precisarem ir ao banheiro, terão que suportar todo o fedor e a falta de higiene que nele se registram. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra bem a situação e exemplifica como uma escola NÃO deve tratar seus estudantes.
PERGUNTINHA - Você tem algum otimismo sobre como acabará esse ano de 2016 ou é dos que pensam que só com muito tranquilizante do tipo Rivotril, poderemos enfrentar o que vem por aí?

Fonte: Jornalista Sérgio Pires - Porto Velho-RO.


Inaldo Pedro Alves

Inaldo Pedro Alves, Prefeito da querida cidade de Jaru/RO; realizando um bom trabalho frente a Administração da cidade. Trabalhador, honesto e uma pessoa simples e objetiva. Parabéns Prefeito.




OPINIÃO DE PRIMEIRA

DIA DE NOVO RECOMEÇO PARA O ANEL VIÁRIO DE JI-PARANÁ

Dos vários tipos de males que afetam nosso País, afora a campeoníssima corrupção, um efeito colateral também atinge com dureza outros órgãos vitais do país: as obras que nunca terminam. Nesse pacote de incompetências; de controles exagerados; de brigas de beleza entre autoridades e de uma burocracia que sempre vai contra os interesses do povo, centenas e centenas de obras estão paradas ou muito atrasadas, mesmo depois de terem sido gastos alguns bilhões de reais. Em Rondônia, os exemplos são óbvios e notórios. Se poderia escrever uma enciclopédia sobre essa vergonha, que atinge viadutos, áreas de lazer, escolas, postos de saúde, rodovias e muitos outros. Já tivemos aqui um recorde nacional, certamente: o viaduto sobre a BR 364 em Pimenta Bueno, que levou cerca de 22 anos para ser entregue.  Agora, na região central do Estado, há outra dessas obras recheada de sapos enterrados, que não terminam nunca e, na maioria das vezes, não há explicações claras dos motivos desse vergonhoso atraso. Trata-se do Anel Viário de Ji-Paraná, que já deveria estar pronto há pelo menos uma década e meia. Talvez até antes disso. Agora, pela enésima vez, anuncia-se a retomada dos trabalhos, interrompidos por questões sérias, mas também por inacreditáveis bobagens burocráticas.
O diretor geral do DER, Ezequiel Neiva, quer entrar para a história do Estado como o comandante do órgão que desenterrou os sapos do Anel Viário e, finalmente, o entregou não só a comunidade daquela região, mas também a todos os rondonienses que serão beneficiados. Quando o DER colocar os primeiros quilômetros de asfalto no  Anel Viário, aí sim se começará a acreditar que, até que enfim, poderemos imaginar que essa obra vital para Ji-Paraná, para toda a região central e para o tráfego na BR 364, que será aliviado, será entregue. Oremos, pois!
SUPERANDO A CRISE - Como Rondônia está conseguindo passar pela crise econômica problemas mais sérios, mantendo os salários dos servidores  em dia e o pagamento dos fornecedores também? O que temos de diferente? As respostas a essas questões e muitas outras, relacionadas com as finanças do Estado, são respondidas pelo secretário da Fazenda de Rondônia, Wagner Garcia, num bate papo com Sérgio Pires. A entrevista exclusiva vai ao ar no programa DIRETO AO PONTO, da SICTV/Record, a partir das 13h15 deste sábado, em rede estadual. O destaque ao agronegócio e a volta do programa Nota Legal, reformulado, também fazem parte da entrevista. Não perca!
PERDÃO AOS APAIXONADOS! - Tem que se falar claramente: quem não apoia a roubalheira, a destruição da Petrobras, a crise econômica histórica, que já desempregou 10 milhões e meio de pessoas,  os palavrões de um ex Presidente, que humilha as mulheres (daí pode|!), é coxinha e golpista. Ai de quem discordar dessa gente maluca, que prefere ver seu país destruído, a abrir mão de suas ideologias superadas e das frases feitas que ninguém mais dá bola. O Brasil, acabado por um projeto de poder que arrasou, em poucos anos, quase tudo o que conseguimos de bom nas últimas décadas, esse sim, nãoé mais importante do que seus cargos e suas crenças. A loucura destruidora ainda é defendida por esses estúpidos, doentes sociais e também apaixonados ingênuos. Só esses, os apaixonados, merecem perdão. Os outros, que se danem junto com seus líderes de pés de barro.
ESPERANDO MAMÃE! - Os números da economia brasileira continuam despencando. Foi por exemplo, o pior mês de março para o desempenho de todos os setores pesquisados, dos últimos 25 anos. Rondônia ainda está, felizmente, fora desses números assustadores, porque a economia do contra cheque ainda é fundamental para o Estado e o dinheiro dos servidores está sendo pago rigorosamente dentro do mês trabalhado. A expansão do nosso agronegócio, com índices altamente positivos e o salto na produção e venda de peixes também nos beneficia. Mesmo assim, o comércio lojista está assustado, com a queda nas vendas. Por isso, a chegada de maio e do Dia das Mães são esperados por comerciantes ansiosos em voltar a vender bem. Tanto em Porto Velho como em muitas cidades do interior...
BANCADA COESA - Depois de ser um dos únicos dois Estados brasileiros a ter toda a sua bancada federal votando a favor do impeachment da Presidente Dilma Rousseff ( a outra bancada da unanimidade foi do Amazonas), já possibilidade concreta de que Rondônia acabe tendo novamente a única bancada do Senado a votar toda pela saída de Dona Dilma. Nas demais regiões do Estado, há pelo menos um senador que está ao lado do governo ou ainda faz parte da base aliada. Em Rondônia, Ivo Cassol e Valdir Raupp, adversários políticos no Estado, dessa vez estão juntos contra a Presidente. Para surpresa geral, Acir Gurgacz, líder do PDT no Senado, avisou que atenderá o clamor dos rondonienses e seguirá no mesmo caminho. Mesmo correndo o risco de ser expulso.
BYE, BYE, PRESIDENTE! - Há quem diga, aliás, que o martelo já estaria batido no Senado. Dos 42 votos necessários, a metade mais um para pedir o afastamento da Presidente, por 180 dias, enquanto o processo de impeachment anda, os antigoverno já teriam, garantidos, ao menos 47 membros da Casa. Haveria pelo menos uma dezena de indecisos, que podem até se unir aos que querem a saída de Dilma, porque poderiam temer a reação dos seus eleitores. A verdade é que a permanência da Presidente no cargo é, hoje, defendida por uma minoria (mesmo barulhenta, mas minoria!), já que a grande maioria da população quer o fim desse governo e da crise que está correndo o país.  
PERGUNTINHA - Será que com 45 funcionários e 30 veículos pesados novos, que anuncia, serão usados, o DER finalmente vai entregar a obra do Anel Viário de Ji-Paraná ainda esse ano?

Fonte: Jornalista Sérgio Pires - Porto Velho/RO.


GASTANÇA SEM FREIO

Sem contar a estrutura da Presidência da República, a administração federal compõe-se, atualmente, de 39 ministérios e 128 autarquias, desdobrados em centenas de conselhos, comissões, secretarias, subsecretarias, assessorias, coordenadorias, divisões, superintendências, seções e delegacias. Somente o Ministério do Planejamento possui 780 unidades. Lula e Dilma criaram 4,5 mil cargos de confiança e ao final de 2014, segundo o Ministério do Planejamento, o governo federal contava com 22.926 cargos de livre nomeação.

Além dessa quantidade absurda de ministérios e autarquias temos hoje 34 fundações e 141 empresas estatais no âmbito do governo federal. Apenas a título de comparação, os Estados Unidos, a maior economia do mundo, possui apenas 15 ministérios.

Fonte: Jornalista Gerssi Taborda - Tudo Rondônia.com


quinta-feira, 28 de abril de 2016

Preparação eletrônica: aumente a potência sem graxa e troca de peças

Módulo de potência e computador bastam para melhorar a performance do motor sem alterar as peças originais


Os módulos suplementares, também conhecidos como módulos de potência, hoje são mais famosos pelas marcas que carregam: Rapid Bike (único com importador oficial), Power Commander e Bazzaz. São a maneira mais simples de elevar a potência, sem a necessidade de troca e alteração de componentes, ou mesmo a desmontagem do motor. Sua principal função é dar acesso à programação da central eletrônica da moto (ECU), permitindo alterar parâmetros como a quantidade de combustível que entra nos cilindros, limite de rotações, ponto de ignição, controle de tração e freio motor, entre outros. Além de permitir a reprogramação dos ajustes eletrônicos alguns módulos também permitem deixar mais de um mapa pronto para ser usado conforme a situação, bastando selecioná-lo no display do equipamento.
A maioria dos usuários de módulos quer aumentar a performance do motor, mas também há os que buscam uma “tropicalização” mais refinada  para a qualidade de nossa gasolina com até 27% de etanol. Sentimos claramente em nossos testes a falta de cuidado de algumas marcas com a reprogramação eletrônica e adequação mecânica ao combustível, o que podemos afirmar porque andamos em grande parte dos modelos também no exterior, antes da chegada ao país, e percebemos que o funcionamento suave nem sempre se repete aqui. Nestes casos, os módulos suplementares podem salvar o prazer de andar com a motocicleta e às vezes até conciliar potência e racionalização do consumo de forma mais eficiente.
Para instalar um módulo é necessário trocar o chicote elétrico original pelo que acompanha o aparelho. Este novo chicote capta dados dos sensores e altera as informações enviadas à ECU ou os comandos dela para os atuadores, como os bicos injetores de combustível. A ECU original continua comandando os atuadores, mas baseada agora nas novas informações enviadas pelo módulo adicional, que “engana” o de fábrica ao interferir para conseguir os novos ajustes, como do tempo de injeção de combustível pelos bicos.
Alguns exemplos dos muitos sensores espalhados pela moto são os de posição do acelerador, temperaturas do ar admitido e do líquido de arrefecimento do motor, posição das borboletas, pressão no coletor de admissão, oxigênio na mistura ar/combustível, rotações do motor e marcha engatada. Com todas as informações coletadas o preparador especializado pode ajustar as respostas do motor às características desejadas pelo piloto, de acordo com a pista ou estilo de pilotagem. Também pode retardar o limitador de rotações favorecendo, por exemplo, o encurtamento da relação final para pistas mais travadas. Os módulos mais sofisticados atuam até no controle de tração, freio motor e câmbio rápido (quick shift).
Outro grande benefício, este específico do Rapid Bike, é a manutenção da originalidade da moto e facilidade de aproveitamento quando se troca de motocicleta, bastando para isso comprar um novo chicote específico para o modelo que acaba de entrar na garagem e reinstalar o equipamento. É importante alertar que os procedimentos são delicados e é difícil acertar todos os parâmetros para funcionarem bem em conjunto, deixando o comportamento da moto “redondo” e seguro contra danos mecânicos. Por isso implica em perda de garantia (se ainda estiver válida) e é preciso contar com a assistência de um profissional. O custo do equipamento varia de cerca de R$ 1 mil a R$ 3 mil, dependendo dos recursos, e pode ser encontrado para a maioria dos modelos de motos vendidos nos mercados internacionais a partir de 300cc.
Fonte: Revista Duas Rodas.

O ano em que o Brasil teve a Honda mais cara do mundo

Era 1986, e quem podia comprar uma CBX era rei num país de motos antigas e de pequena cilindrada


Foi difícil explicar como a Honda conseguiu autorização para importar 700 unidades da CBX 750F 1986, todas pretas, naquele Brasil fechado ao mercado externo. Há dez anos sem motos de alta cilindrada importadas, a moderna CBX fez com que isso pouco importasse para brasileiros que até então só podiam comprar modelos usados velhos ou as nacionais de baixa cilindrada (no máximo a CB 450). O número limitado de unidades iniciou um vale tudo entre os compradores, que pagavam ágio por uma moto que já corresponderia a três CB 450 se o preço de tabela fosse respeitado, mas na prática atingia o triplo disso. As notícias de que seria nacionalizada no fim do ano suprimindo itens da importada ajudaram a sustentar o frenesi.
Naquele momento as CB 750 da década de 1970 ainda estavam valorizadas no mercado de usadas, continuavam custando mais que uma 450 nova, e nos anos seguintes a CBX 1986 permaneceria também valorizada após o lançamento da nacional. Quem tinha uma importada já estava acostumado a recusar propostas de revenda desde o momento de saída da concessionária. A venda da nova Honda de 4 cilindros só foi possível porque a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) autorizou a importação da cota de motos completas excepcionalmente para “investigação de mercado”, com o compromisso da Honda de nacionalização posterior de acordo com os índices obrigatórios. O valor das motos foi subtraído da cota que a fabricante poderia importar em componentes naquele ano e o arranjo se concretizou sem maiores contratempos, afinal, só Honda e Vespa operavam sob as regras da autarquia da Zona Franca, enquanto a Yamaha ainda produzia em Guarulhos (SP) e a Agrale em Caxias do Sul (RS).
Para rodar com a gasolina brasileira o motor da CBX teve a taxa de compressão reduzida de 9,3:1 no Japão para 8,8:1 aqui, e a potência diminuiu 9 cv, totalizando 82 cv. De qualquer forma a CBX apresentava uma série de evoluções em comparação ao motor da primeira geração, a CB 750: comando duplo e 4 válvulas por cilindro em um conjunto menor, que mesmo mantendo a refrigeração a ar rendia potência expressivamente superior aos menos de 70 cv da década anterior, permitindo ultrapassar os 200 km/h. Outros requintes da CBX eram a embreagem de acionamento hidráulico, a suspensão dianteira com regulagem pneumática e sistema anti-mergulho e os pneus sem câmara.
Em dezembro de 1986 a versão nacional estreava com apenas 40% de índice de nacionalização para abastecer o mercado com 300 unidades mensais. As modificações eram evidentes não só na nova pintura branca e vermelha, mas porque estava claramente menos esportiva e mais confortável. A carenagem arredondada era maior, recebia farol duplo em peça única, os semi-guidões foram elevados em 2 cm, a regulagem de suspensão eliminada, o aro dianteiro de 16 polegadas passou a 18, os pneus tinham câmara e os escapamentos trocaram o preto pelo cromado. Não foi o conforto, mas sim a simplificação técnica que manteve a CBX de 1986 desejada, valorizada e eternizada na memória dos brasileiros da época.
A única mudança relevante na CBX nacional aconteceria em 1990 quando ganhou o sobrenome Indy em seus últimos cinco anos à venda, marcados pelo declínio acelerado frente às importadas – incluindo as Honda CBR 600F e 1000F. Nesta versão uma carenagem integral cobria o motor e incorporava piscas e espelhos retrovisores, pintada de cinza escuro com faixas azuis. O painel também foi remodelado e dois porta-luvas com fechadura foram instalados nos acabamentos de plástico entre carenagem e tanque. Uma trave foi acrescentada ao quadro para aumentar a rigidez e melhorar a estabilidade, o que se somou à nova carenagem e ajudou a deixá-la 12 kg mais pesada. Cara e já antiquada diante das opções importadas, a CBX saiu do mercado junto com a família 450, abrindo espaço para uma nova geração de produtos de alta cilindrada vindos de fábricas da marca em outros países.
Fonte: Revista Duas Rodas.


Porto Velho é a segunda no ranking da inadimplência

DAS CAPITAIS BRASILEIRAS PESQUISADAS PELO SERASA EXPERIAN, APENAS MANAUS APARECE NA FRENTE DA CAPITAL RONDONIENSE.


A análise mostra que entre as nove capitais brasileiras com os maiores percentuais de inadimplência, Porto Velho, em Rondônia, com índice de 37,6% é a segunda no ranking do endividamento, atrás apenas da capital amazonense, Manaus, que ficou com 38,1%. A pesquisa do Serasa Experian mostra ainda que a cidade rondoniense tem a 20ª maior taxa de desemprego (6,9%) e o décimo pior salário médio do País.

Fonte: Jornal Diário da Amazônia.


Coluna do Heródoto - MARCA E CREDIBILIDADE

O primeiro passo para quem decide se estabelecer comercialmente é  identificar se existe mercado e procura para o produto. É uma forma segura de iniciar um negócio. É um risco muito grande inverter o processo, ou seja primeiro criar o produto e depois esperar que o mercado o adquira. Em um determinado momento empresários avaliaram se havia mercado para a instalação no Brasil de veículos eletrônicos 24 horas de notícias. Inspirados em iniciativas internacionais exitosas, implantaram canais de tevê e rádio all News. Além de identificar a existência de público para essa iniciativa, havia também a dúvida se o mercado publicitário apoiaria economicamente os projetos. Considerando-se o perfil do público brasileiro poucas agências de publicidade resolveram arriscar o dinheiro de seus clientes em meios de comunicação que não tinham tradição no Brasil. A concorrência era constituída por veículos ecléticos  que misturavam entretenimento com noticiário. Só noticia, dia e noite, sábados, domingos, feriados e dias santos era imprevisível comercialmente. Ou seja, com ou sem certeza,  o fenômeno da especialização, segmentação chegava ao jornalismo.

As relações comerciais são baseadas numa equação simples: empresas vendem o que consumidores precisam, ensina o mestre Phillip Kotler. É, mas com jornalismo não é bem assim. O público compra com sua audiência, contudo as agências de publicidade também precisam comprar. Não basta ter audiência e não ter patrocinador. Nenhuma empresa de comunicação suporta. É verdade que algumas empresas utilizavam o cabo e com isso podiam contar com alguma remuneração dos assinantes . Além disso outras empresas concorrentes abertas não cobravam assinatura ainda que tivessem pouco tempo destinado ao jornalismo. Só havia uma saída: construir uma marca.  Kotler ensina que todas empresas precisam conter o princípio da credibilidade, mas para empresas jornalísticas ela é imprescindível. O público tem que ter certeza que vai encontrar o que procura: jornalismo plural, ético, transparente e comprometido com o interesse público.

O norte da empresas de comunicação All News era a CNN fundada na década de 1980. As notícias sobre seu desempenho eram favoráveis. Tinha escala global, agilidade, correspondentes conhecidos e 24 horas de notícias. O advento do novo canal bateu as velhas fórmulas adotadas por veículos como BBC, Voz da América, Deutsche Vele, Voz da Rússia e outras.  A CNN era uma empresa privada, não tinha nenhuma interferência  do Estado como tinham as antecessoras. Não veiculava as mensagens gestadas nas redações do governo e inaugurava novas tecnologias. As transmissões eram, sempre que possível, ao vivo, o que aumentava a credibilidade do noticiário: “não permitia edição “ como diziam alguns. A primeira guerra do Golfo, o ataque americano contra Bagdá de Sandam Hussein, a destruição das Torres Gêmeas de Nova York consolidaram a marca. Ela passou a vender um produto diferenciado, por um preço alto, ainda que aparentemente ele pudesse ser encontrado em qualquer lugar. Foi, sem dúvida, um êxito empresarial que inspirou iniciativas semelhantes no Brasil com o advento de emissoras de rádio e tevê de 24 horas de notícias.

Fonte: Heródoto Barbeiro - Record News / SP.



Angelita Lima

Volte Angelita à TV-Rondônia, volte..! Você é uma excelente profissional, além de ser linda, muita linda. Volte, volte...


Riffel recomenda manutenção preventiva do Kit Relação

Vida útil das peças varia muito de acordo com estilo de pilotagem, correta manutenção e qualidade dos componentes
A Riffel Motospirit, consolidada como fornecedora de peças para as principais fabricantes de motocicletas no Brasil, reforça: fique atento ao Kit Relação de sua moto para evitar problemas.
Carro-chefe da empresa, o Kit formado por Coroa, Pinhão e Corrente é um dos itens de suma importância em uma motocicleta. “Ele deve estar sempre em ordem para uma pilotagem com mais segurança. Vale lembrar que a vida útil da relação varia muito de acordo com o estilo de pilotagem de cada motociclista, lubrificação adequada, regulagem periódica da tensão da corrente e qualidade dos componentes”, avalia Marco Santos, Diretor Industrial da marca. “O produto precisa ser de extrema qualidade. Quem prefere economizar na hora de trocar o Kit Relação acaba comprometendo o funcionamento da motocicleta utilizando um produto sem credibilidade no mercado, colocando até mesmo sua vida em risco”, complementa.
É recomendável que a relação seja trocada por inteiro, já que trocar apenas um ou dois componentes isolados pode influenciar no funcionamento e vida útil de todo o conjunto. A substituição deve ser feita após a observação de desgastes na região dos dentes da coroa e do pinhão ou, antes da corrente apresentar folga excessiva. A manutenção preventiva do Kit Relação deve ser feita periodicamente por mecânico especializado, mantendo o sistema sempre em ordem, lubrificado e limpo.
Atualmente, a Riffel conta com uma grande variedade de kits relação (tração) composta por Coroa, Pinhão e Corrente para os mais diversos modelos de motos em toda a América Latina. Destaque para os Kits Super Top, Top, Titanium e Premium.
Os Kits Relação da Riffel Motospirit estão disponíveis nas principais lojas do país e ainda no e-commerce da empresa no site www.riffel.com.br.
Fonte: Moto Adventure / Riffel


quarta-feira, 27 de abril de 2016

Requisito fundamental...

Para um bom viver!


OPINIÃO DE PRIMEIRA

BOLSONARO, LULA, DILMA E O CUSPIDOR: TODOS ELES SÃO IGUAIS

Eles são todos iguais. Querem fazer crer que são diferentes, pelos métodos e ideais, mas os fins são os mesmos. Eles adorariam ser ditadores, impor suas vontades sobre os outros; tornar seus opositores inimigos; atacar e até exterminar fisicamente quem não pensa como eles. Gente como eles já o fizeram muitas vezes, no transcorrer da História. Mas, para lamento deles, isso não é possível no Brasil de hoje e ainda mais numa democracia. Quem são eles? São doentes políticos, como o ultradireitista Jair Bolsonaro e seus antagonistas, como Lula da Silva, Dilma, Rui Falcão e o cuspidor Jean Willis, uma nulidade que surgiu na Câmara, pela ignorância de quem gere suas opiniões por bobagens da TV. Quando Bolsonaro homenageia o torturador Brilhante Ulstra, ele está agindo do mesmo jeito da ignorante Dilma Rousseff, quando pediu conversações de paz com o grupo terrorista Estado Islâmico, sem entender exatamente o que estava falando.  Quando a direita clama por regime militar, é o mesmo que berra a esquerda, homenageando a “democracia” de Cuba, terra onde os adversários foram exterminados e onde o ditador de plantão é eleito por um colégio eleitoral com 100 por cento dos votos. Eles se dizem diferentes, mas é claro que são exatamente iguais.

Difícil é ser democrata, é aceitar que há divergências de opinião, de religião, de crença política, de diversidade cultural, sexual e outras diferenças. Bolsonaro e sua direita são exatamente o retrato inverso da esquerda rancorosa, que quer vingança contra todos os que não aceitam pensar exatamente como ela. Assim como a direita, que cria castas econômicas para dominar os pobres, a esquerda cria uma casta política, exatamente para fazer o mesmo. Esse tipo de gente, todos eles, deveriam ser jogados no lixo na história. Infelizmente, são eles que dominam o mundo.

ACIR E A CRISE - Assessoria do senador Acir Gurgacz contesta afirmação da coluna de que a decisão dele de apoiar o impeachment, passava também pelo temor de prejuízo eleitoral, até porque seu futuro adversário ao Governo, Maurão de Carvalho, já tinha antecipado sua posição contra Dilma e estaria conquistando muitos apoios por isso. A equipe de Acir diz que a decisão dele passa pelos vários discursos que fez, criticando as brigas políticas e a paralisação do país. Por isso o Brasil estava indo à breca. O senador alega que quer ver o país produzindo e saindo da crise econômica e não vê em Dilma o personagem para nos tirar dessa situação. Já com relação ao Maurão....ah!, deixa assim!

WAGNER NO DIRETO AO PONTO - Como Rondônia está conseguindo passar pela crise econômica sem a quebradeira generalizada que atinge vários estados? Qual o segredo para manter os salários dos servidores rigorosamente em dia e o pagamento dos fornecedores também? O que temos de diferente? As respostas a essas questões e muitas outras, relacionadas com as finanças do Estado, são respondidas pelo secretário da Fazenda de Rondônia, Wagner Garcia, num bate papo com Sérgio Pires. A entrevista exclusiva vai ao ar no programa DIRETO AO PONTO, da SICTV/Record, a partir das 13h15 deste sábado, em rede estadual. O destaque ao agronegócio e a volta do programa Nota Legal, reformulado, também fazem parte da entrevista. Não perca!

HORAS DE ESPERA - As reclamações se multiplicam em relação ao enorme atraso dos ônibus do novo consórcio da Capital. No feriado dessa quinta, veículos de comunicação receberam inúmeras ligações. Há casos de pessoas que ficaram até duas horas e meia numa parada, esperando pelo ônibus que nunca chegava. Está na hora de se começar a resolver essa questão. Há vários meses já em funcionamento, o novo sistema veio para resolver de vez todos os problemas do setor, segundo anunciava a Prefeitura, mas o que se tem visto, ao menos até agora, é que praticamente nada mudou para melhor, além do nome do consórcio. Nem a chegada anunciada de 37 ônibus zero quilômetros tem amenizado as críticas dos porto velhenses.

RECATADA, DO LAR... - Os petistas e aliados tentam, publicam textos rebuscados, procuram mudar a verdade, adequando-a à sua (i) realidade, mas nada cola. Cada vez que aparece nas redes sociais alguns desses textos abusados, desrespeitosos, tentando empurrar goela abaixo teorias de golpes e invenções, o contra veneno vem com tudo, pela grande maioria que não os suporta mais. A última foi a tentativa de transformar a mulher Michel Temer em uma figura digna de deboche. Quem inventou o personagem foi a revista Veja, mas para esses destrambelhados, isso é irrelevante. Marcela Temer recebe cacetadas de todos os lados. Só que, em proporção cada vez maior, ela é defendida por gente que considera pura idiotice os ataques sem nexo.

OLHOS LONGE DAQUI - Dentro de poucas semanas, deve começar a definição dos partidos, coligações e candidatos para as eleições municipais de outubro. Nessas alturas dos acontecimentos, a população vai se preocupar mesmo com a disputa nas cidades ou continuará voltada para a definição nacional, com a Presidente praticamente fora do poder e um novo governo prestes a assumir? Em Porto Velho, principal colégio eleitoral do Estado, não há ainda nem definição de todos os nomes que irão concorrer à Prefeitura e o assunto está longe de mobilizar a opinião pública. A grande maioria é está mesmo é de olho em Brasília...

PERGUNTINHA - A mulher batalhadora, que sustenta famílias e não aceita mais o mando da macharada e aquela, tipo Marcela Temer, que é “bela, recatada e do lar”, segundo a revista Veja, não são, afinal, retratos da mesma mulher brasileira?

Fonte: Jornalista Sérgio Pires - Porto Velho/RO.


MANJAR DOS DEUSES


Todas lindas, todas sensuais.