quarta-feira, 25 de abril de 2018

Opinião de Primeira - AGORA SE ENTENDE AS TAXAS ABUSIVAS: DETRAN TEM MAIS COMISSIONADOS DO QUE EFETIVOS

Vamos começar a entender algumas coisas que estão acontecendo no Detran de Rondônia, para concluirmos sobre o porquê estamos pagando aqui, em nosso Estado, algumas das maiores taxas e impostos de todo o país. A primeira informação já vai levar o prezado leitor a entender os caminhos absurdos, que transformaram um importante órgão público num peso imenso sobre as costas do contribuinte. O Detran tem hoje um total de 1.001 servidores efetivos, para atender os 52 municípios. Não parece bastante razoável? Claro que parece.  Mas é Denorex: parece, mas não é! Porque há um detalhe dos mais importantes: além desse milhar de efetivos, o Detran tem exatos 1.132 servidores comissionados. Isso mesmo! Tem 131 comissionados a mais do que o total de pessoal do seu quadro. A relação completa foi enviada à essa coluna e está a disposição. Como em várias  cidades do Estado, as Ciretrans andam reclamando da falta de pessoal, seguindo denúncia feita por vários despachantes, pode-se questionar: onde está toda essa gente? A Prefeitura de Porto Velho, superpovoada de servidores, tem 14 mil funcionários e algo em torno de 1.200 cargos comissionados, para atender a uma população de meio milhão de habitantes. Dá para se fazer um comparativo, apenas para racionar: por que o Detran de Rondônia tem 1.132 cargos de confiança? Daí se começa a entender, claramente, do porquê estamos pagando taxas abusivas, algumas delas onze vezes maiores  do que cobra, pelo mesmo serviço, o Detran do Amazonas, apenas como um exemplo. Questiona-se ainda, no mesmo contexto, se o órgão tem tantos servidores, todos certamente trabalhando duro, para que tantos serviços de terceirização? As vistorias, por exemplo, que poderiam ser feitas ao menos por parte desse milhar e pouco de comissionados, custam quase o dobro nos serviços terceirizados, causando grande prejuízo ao contribuinte. Há muito mais taxas e subtaxas, cobranças e emolumentos cobrados, que poderiam ser questionados. Poderiam antes. Não agora. Porque agora se sabe do principal motivo do Detran precisar de tanto dinheiro: tem gente demais para sustentar!

O assunto chegou à Assembleia Legislativa, até que enfim! Por iniciativa do deputado Hermínio Coelho, convite assinado por ele e pelo presidente Maurão de Carvalho, chama a população a debater a questão das taxas e impostos cobrados pelo Detran rondoniense. A audiência pública será na próxima sexta-feira, dia 27, a partir das 9 horas da manhã, no plenário da ALE. Quem sabe, a partir desta reunião, começaremos a assistir a uma nova forma do contribuinte ser tratado pelo Detran do nosso Estado? Temos que pagar sim, mas o que for justo. Não podemos é sermos explorados, do jeito que somos hoje, para sustentar a obesidade mórbida de um órgão tomado por  tantos comissionados!

MDB DIZ QUE ESTÁ UNIDO
Havia um clima de preocupação de parte da militância do MDB, em função da boataria que começava a crescer, apontando que poderia haver um grande racha dentro do partido. Uma reunião ocorrida na sexta-feira, entre alguns dos nomes mais quentes da sigla, colocou água na fervura. Na mesa de conversações, o trio peso pesado do partido:  Maurão de Carvalho, o candidato confirmado ao Governo e os dois que vão disputar o Senado, o ex governador Confúcio Moura e o senador Valdir Raupp. Não se pode dizer que o encontro tenha iniciado sem um clima de alguma desconfiança. Mas, já nos primeiros momentos do bate papo, ficou clara a boa vontade de todos os envolvidos, em falar a mesma linguagem. No fim do encontro, todos eram só sorrisos e alegria.  Ficou combinado que a pré candidatura de Maurão é irreversível,  assim como as de Confúcio e Raupp. Entre a segunda e a terceira semanas de maio próximo, em data ainda a ser confirmada, não só os três nomes, como os de todos os demais pré candidatos do partido, serão oficializados. Os emedebistas juram que estão falando, todos eles, o mesmo idioma. Tudo indica que, enfim, o MDB está muito mais unido do que esteve nos últimos tempos.  

GUERRA CASSOL X CONFÚCIO
Dois pesos pesados da política rondoniense estão em rota de colisão. A campanha eleitoral já começou, de verdade. Os ex governadores Confúcio Moura e Ivo Cassol dominaram a mídia esta semana. Cassol acusando Confúcio de endividar o Estado e torná-lo inviável, por causa, principalmente, da renegociação da dívida do Beron, que teria sido ampliada de 2 bilhões e 700 milhões, para mais de 7 bilhões de reais. Confúcio, acompanhado por sua tropa de choque (destacando-se o ex secretário da Fazenda, Wagner Garcia de Freitas), percorreu a mídia, desmentindo  as acusações de Cassol e dando versão totalmente diferente. O atual senador e ex governador do PP manteve suas denúncias e seu discurso pesado, como é do seu feitio. Confúcio contra-atacou, se negando inclusive a pronunciar o nome do adversário. É briga de gente grande e poderosa. Tomara que ambos analisem a situação e atuem com os olhos voltados, apenas, aos interesses maiores do Estado...

AS MUDANÇAS NO GOVERNO
Dos quatro nomes principais do governo Confúcio Moura, três já saíram:  Wagner Garcia, das Finanças; Emerson Castro, da Casa Civil e Waldo Alves, da Educação. O único remanescente deste quarteto palaciano é George Braga, do Planejamento, que não se sabe até quando permanecerá no posto. O quinto elemento, também de grande importância no contexto da administração, pelos resultados positivos que obteve, Williames Pimentel, deixou a Secretaria da Saúde, para disputar uma vaga à Assembleia Legislativa. Aliás, na saúde, o governador Daniel Pereira manteve a equipe, já que o novo secretário é o Dr. Maiorquin, adjunto de Pimentel há anos. Não se sabe se é apenas boato, mas ouve-se que a permanência de Maiorquin correu grande risco, porque havia a intenção do novo governo de indicar Domingues Sávio, ex secretário municipal do governo Nazif, como adjunto da Sesau. Maiorquin só ficaria se fosse mantida, como sua adjunta, Maria do Socorro Rodrigues. Foi o que aconteceu. Ao menos até agora, é esse o quadro...

QUE OS ASSASSINOS NÃO NOS ESCOLHAM!
Foram 361 assassinatos em Rondônia, no ano passado. Só na Capital, nos primeiros dois meses deste 2018, outros 22. Faltam ainda os números do restante do Estado e das mortes violentas em março e abril. Nas estatísticas, estamos diminuindo o número de crimes. Mas de que adianta isso, se ainda temos quase uma média de um assassinato por dia, nessas terras de Rondon? Matar se tornou algo totalmente comum. Tirar a vida de alguém, a não ser em legítima defesa, deveria ser crime punido com todo o rigor da lei e com penas duríssimas, para conter aqueles que não temem serem punidos, à altura do crime que cometeram. O crime de morte, principalmente o latrocínio (quando o bandido mata para roubar), é tratado pela legislação brasileira, no geral, como caso normal. As penas não passam os 30 anos e, com cinco cumpridos, o assassino estará solto novamente. Ora, se um crime de morte qualquer tivesse pena mínima de 15 anos, sem direito a qualquer benefício legal e se o latrocínio tivesse pena mínima de 20, também sem essas abusivas e pornográficas saídas de bandidões da cadeia, pelas penas progressivas, certamente esse quadro mudaria, em Rondônia e no Brasil. Mas como isso nunca vai acontecer, só nos resta torcer para que os assassinos não nos escolham...

CÉSAR CASSOL E OS AEROPORTOS
O empresário César Cassol é um grande empreendedor. Chega a ser, em relação à Bolívia, uma espécie de Embaixador brasileiro não oficial, não só abrindo aquele mercado para produtos brasileiros, como também apoiando programas sociais e ajudando quem precisa da sua ajuda. Seus atos benemerentes já o colocam como um convidado muito especial, quando passa para o lado de lá da fronteira. César tem lutado muito e muitas vezes, de forma solitária. Tem criticado a inércia tanto do Governo do Estado quanto da União, em não   ajudar a ampliarmos nossos negócios, pela potencialidade do mercado vizinho. E critica também, duramente, o sistema superado dos nossos aeroportos. Não só do Jorge Teixeira, em Porto Velho, que para ele já deveria ter alfândega e  controle da Polícia Federal há muito tempo, mas também os aeroportos de Ji-Paraná e Vilhena, que já poderiam receber voos internacionais e cargas que serviriam para ampliar significativamente nossos negócios. César conta que já existem empresários americanos prontos para grandes negócios com Rondônia, mas como virão para cá? De barco? Recém vamos ter a implantação do sistema ELO, que tira os passageiros do sol e da chuva para levá-los diretamente às aeronaves. Mas e o resto? Quando teremos o alfandegamento do aeroporto Jorge Teixeira e em outros no Estado? Por isso, César Cassol tem razão em cobrar da bancada federal e das autoridades, mais ações e mais resultados práticos, para ampliarmos nossos mercados.

VOLTE LOGO, CHAGAS NETO!
Engenheiro, empresário de sucesso, pioneiro, Chagas Neto tem seu nome ligado às últimas três décadas e meia da história da nossa Rondônia.  Como homem público, seu grande feito foi ter sido Constituinte. Como amigo da população mais pobre, conseguiu construir milhares de casas populares, em conjuntos habitacionais, que estão espalhados por vários bairros da Capital em, ainda, alguns no interior. Com todo o trabalho positivo que realizou, sempre com uma vida pública ilibada, Chagas começou a ser pressionado por amigos, admiradores e eleitores de todos os segmentos sociais, para que voltasse às atividades politicas. Por isso, decidiu se candidatar a uma cadeira de deputado estadual, em 2018. Ainda pré candidato, é dos que têm chance real de chegar lá. Nesta semana, contudo, Chagas deu um grande susto em seus familiares e amigos. Foi internado às pressas num hospital da Capital, permanecendo longo tempo na UTI. Até a noite deste sábado, ele estava se recuperando. É enorme a torcida para que ele fique bom logo. Homem bom, homem do bem, todos queremos que  Chagas Neto supere esse drama e volte ainda melhor de saúde.

PERGUNTINHA
O que você acha da afirmação do Dr. Coutinho, médico respeitado em Porto Velho, de  que, em função da falta total de saneamento, apenas por sorte nossa Capital ainda não sofreu, até agora, uma grande epidemia?

Fonte: Jornalista Sérgio Pires - Porto Velho/RO.

Honda convoca quase 160 mil unidades da linha CG 160 para recall

Problema no garfo guia dianteiro afeta CG 160 Start, Fan e Titan; procedimento tem início no fim de abril

Honda do Brasil anunciou um recall para a linha CG 160. A fabricante convoca proprietários dos modelos CG 160 Start, 160 Fan e 160 Titan para a substituição do garfo guia dianteiro.
Segundo a Honda, o uso severo da motocicleta pode levar ao travamento do garfo guia dianteiro, o que pode causar graves acidentes de acordo com a situação na qual ocorrer o travamento

O atendimento aos proprietários tem início no dia 30 de abrilConfira os chassis afetados pelo recall:
Confira a nota da Honda na íntegra:
A Moto Honda da Amazônia, pautada pelo seu princípio de respeito aos clientes, convoca os proprietários dos modelos CG 160 Start, Fan e Titan a seguir a comparecerem a uma das concessionárias Honda, a partir de 30 de abril de 2018, para a substituição gratuita do garfo guia dianteiro.
Em razão do uso severo da motocicleta, em situações como: passagem em lombadas ou buracos em velocidades elevadas ou, ainda, em casos extremos onde ocorre o levantamento proposital da roda dianteira, popularmente denominado “empinar”, ocorrem impactos severos na suspensão dianteira, possibilitando o travamento do garfo guia dianteiro. Nesse caso, a dirigibilidade será afetada e, dependendo das condições de pilotagem no momento da ocorrência (velocidade, tipo e condições de via, etc.), os usuários serão expostos a uma situação de risco de queda, podendo causar danos materiais e lesões graves, ou até mesmo fatais, aos ocupantes e/ou terceiros.
Para mais informações e agendamento os clientes podem acessar o site: www.honda.com.br/recall ou entrar em contato com a Central de Atendimento no telefone 0800-701-3432 (de segunda a sexta-feira, das 08h às 20h; e aos sábados, das 09h às 14h - horário de Brasília).
Fotos: Honda/Divulgação
Fonte: Equipe MOTO. COM.BR


Mais aventureira, nova V-Strom 1000 chega por R$ 52.693

Com visual renovado, rodas raiadas e eletrônica moderna, versão XT deve agradar aos viajantes que percorrem estradas de terra


Desde que foi lançada, em 2003, a Suzuki V-Strom sempre teve fama de confortável e robusta, porém deixava a desejar no quesito aventura por conta de suas limitações longe do asfalto. Para reverter esse quadro, a fabricante lançou no ano passado a versão XT da bigtrail, que tem como atrativos as rodas raiadas, pacote eletrônico mais moderno e novo design. O modelo chega ao país com o preço de R$ 52.693.
Quem usa motos em longas viagens e precisa encarar terrenos irregulares sabe que as rodas raiadas oferecem maior resistência. Tanto que é solução adotada em big trails de 1.000 cc ou mais, como a Honda Africa Twin CRF 1000 L (R$ 54.590), a Yamaha Super Ténéré 1200 DX (R$ 65.490), a Tiger Explorer 1200 XC (R$ 70.500) e a BMW R 1200 GS Premium (R$ 77.900).
Para entrar nesse disputado segmento a Suzuki equipou a nova V-Strom 1000 XT com aros de alumínio DID que usam raios centralizados. A vantagem é que se pode usar pneus sem câmara, que são mais simples de “remendar” em caso de um furo. Na dianteira o aro de 19 polegadas é calçado com pneu 110/80R-19, enquanto a traseira tem pneu 150/70 em um aro de 17 polegadas
novo visual se caracteriza pelo paralama dianteiro mais protuberante. Juntamente com o novo parabrisa mais alto e com regulagem em três posições confere maior proteção contra chuva e vento. Protetor de manetes, protetor de motor e guidão em alumínio completam o visual “casca grossa” da V-Strom 1000 XT.
Motor e eletrônica
A potência do motor de dois cilindros em “V” a 90° com 1.037 cm³ de capacidade, duplo comando no cabeçoterefrigeração líquida é de 101 cv a 8.000 giros. O torque máximo de 10,3 kgf.m é atingindo a apenas 4.000 giros, uma característica importante para domar essa moto que pesa 233 kg pronta para rodar. O câmbio tem seis velocidades.
Para ajudar nas arrancadas, o fabricante equipou o modelo com o assistente de baixos giros. Trata-se de um sistema que automaticamente eleva o giro ao apertar a embreagem ou pilotar em rotações muito baixas. Evitando, dessa forma, que o motor “morra”. O modelo traz o controle de tração, o mesmo já usado na versão anterior. 
sistema de freios com dois discos de 310 mm na dianteira e um disco de 260 mm na traseira ganhou como novidade a Unidade de Medição Inercial (IMU) da Bosch. O sistema faz uma leitura em cinco eixos da moto, e conta também com um sistema combinado. Segundo o fabricante, o sistema é capaz de melhorar a distribuição da frenagem em situações críticas e nas curvas, além de evitar o travamento das rodas. 
Equipada com tanque de combustível com capacidade para 20 litros, essa aventureira pode superar os 400 km de autonomia, uma vez que o fabricante declara consumo de 20,8 km/litro. O modelo tem um ano de garantia sem limite de quilometragem e os intervalos entre as revisões é de 6.000 km.
V-Strom mais acessívelCustando R$ 41.482 a V-Strom 650 XT pode ser chamada de “irmã” caçula do modelo de 1.000 cc. Equipada com motor de 645 cc é capaz de atingir a potência máxima de 71 cv a 8.800 rpm e seu torque chega a 6,32 kgf.m a 6.500 giros. O modelo pesa 216 kg (em ordem de marcha) e seu banco fica a 832 mm do solo. A versão de 650cc também oferece proteção para o motor e manetes. É uma opção para quem deseja ter uma V-Strom, mas quer gastar menos e não faz questão de investir numa moto de 1.000 cc.
Fonte:  Fotos: Divulgação - Moto.com


terça-feira, 24 de abril de 2018

Por que odiamos os políticos?


Depois do futebol e talvez do Carnaval, o esporte favorito dos brasileiros é falar mal dos políticos. Nestes tempos de Operação Lava Jato com processos e prisão de várias autoridades, inclusive de um ex-presidente da República, a população respira aliviada toda vez que um político vai “em cana”. Nunca na História deste país, o STF trabalhou tanto. A situação chegou a tal ponto que muitos brasileiros sabem na ponta da língua o nome dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal e ignoram a escalação da seleção nacional de futebol para a próxima Copa do Mundo. Para muitos, ser político é sinônimo de ladrão, de querer ficar rico à custa do trabalho alheio. Entrar para a política hoje no Brasil é o mesmo que entrar para o mundo do crime. Aliás, muitos bandidos e traficantes gozam de popularidade bem maior do que muitas autoridades constituídas.
Há mais de 40 anos o Brasil figura entre as 10 maiores potências econômicas do mundo. No início do século chegou a ser a sexta maior economia do planeta quando seu PIB quase supera o da França e o da Inglaterra. Hoje somos o segundo maior produtor de alimentos do mundo. Temos riquezas naturais incalculáveis, além de mais de sete mil quilômetros só de litoral. Na Amazônia temos um quinto de toda a água potável do planeta. Isso sem falar na rica biodiversidade. Com mais de 220 milhões de cabeças, temos o maior rebanho bovino comercializável do mundo. Produzimos frango, soja, milho, pescados e inúmeras outras commodities. As nossas riquezas são invejáveis, mas a classe política nacional não deixa que toda essa fartura chegue à mesa dos cidadãos. Temos hoje mais de 20 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza.
De certa forma, os políticos do Brasil são os maiores responsáveis pela miséria e pela pobreza nacional. A desigualdade social, uma das maiores do mundo, é incentivada e fomentada pelos péssimos serviços públicos que são prestados aos nossos cidadãos. Pelo menos 34,4 por cento do PIB são arrecadados em impostos. Mais do que países como Canadá, Austrália e Alemanha. Parte do dinheiro e da riqueza nacional que são produzidos aqui vai para o bolso dessas autoridades e de empresários igualmente ladrões. Entrar na política pode significar acesso a essa riqueza. Todos os presidentes, governadores e prefeitos, de direita ou de esquerda, lutam para chegar aos seus cargos e depois esquecem os eleitores e passam, na maioria das vezes, a dilapidar o Erário sem dó nem piedade. Isso sem falar nos 61.604 senadores, deputados e vereadores do país.
Roubar, roubar e roubar são os objetivos da maioria dos que entram na política. Os caras roubam até casca de ferida. E pior: nada fazem em beneficio daqueles que os elegeram. Rondônia é um exemplo claro dessa distorção nacional. Tem uma população minúscula e um PIB até alto. Possui um dos maiores rebanhos bovinos do país, está situada entre dois biomas reconhecidos no mundo, tem muita água portável e extensões de terras produtivas, mas a riqueza parece que passou longe dos seus habitantes. Porto Velho, sua suja e imunda capital é uma cidade pior do que Porto Príncipe, capital do Haiti. Parece uma cidade da África Subsaariana. Lixo, pobreza e miséria são os cartões postais do lugar. Parte dos seus políticos ganha da média nacional em roubalheira, escândalos, corrupção, mentiras e incompetência. Em Rondônia e no Brasil, o povo não gosta dos políticos, mas os elege sempre. Assim não há como quebrar nossas correntes.

Fonte: Professor Nazareno / Porto Velho-RO





BR-364: Índios fecham rodovia no distrito de Vista Alegre do Abunã e exigem que a Eletrobras implante rede elétrica na região

Comunidade indígena kuruquete, fecha a BR-364, no distrito de Vista Alegre do Abunã, que pertence ao município de Porto Velho, a cerca de 250 quilômetros da Capital, sentido Rio Branco do Acre.  Os índios reivindicam que a Eletrobrás implante da rede elétrica na região.
O bloqueio aconteceu por volta das 12h00, desta terça-feira, 24. O congestionamento Porto Velho/Rio Branco, nos dois sentidos atinge vários quilômetros.
Uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Está no local, tentando negociar a liberação da rodovia, até o momento sem sucesso. Manifestantes querem a presença de um representante da Eletrobrás no local, previsão de liberação parcial da rodovia por volta 22 horas.




Texto: Extra de Rondônia
Fotos: Reprodução Rede Social

segunda-feira, 23 de abril de 2018

GAVIÕES DA AMAZÔNIA / RIO BRANCO - 5º Aniversário - Fotos

Realizado neste último fim de semana (20,21 e 22) o 5º Aniversário do querido Gaviões da Amazônia/Moto Clube/Regional Rio Branco-AC. Este escriba teve o privilégio de participar da linda e bem organizada festa na Sede do Sindicato dos Servidores da Fazenda do Estado. 

Uma festa de muito organizada, com farta alimentação a base do famoso 0800, bebidas a preço muito bom, muita música, com várias Bandas se apresentando, muita gente bonita e, um clima saudável e familiar proporcionado pela Diretoria dos Gaviões. 

Todos os participantes, ou seja, motociclistas e convidados foram recebidos com enorme carinho pelos integrantes dos Gaviões. Na realidade a festa começou logo na Sexta-Feira, com a recepção aos motociclistas, sendo oferecido o jantar, muito gostoso por sinal. Tendo inclusive o gostoso e também festivo Café da manhã. Já no sábado, a festa continuou muito animada e com muita tranquilidade, um verdadeiro presente à todos nós. E no domingo, também foi oferecido o tradicional Café da manhã. Houve a entrega de Troféus aos Moto Clube/Grupos. 

Nunca é exagero dizer do carinho e amizade dispensada aos participantes pelos integrantes dos Gaviões. E foi realizado inclusive uma cerimônia de coletamento a novos integrantes, muito bom, muito festivo. Fica aqui os agradecimentos a Diretoria dos Gaviões, aos colaboradores e demais pessoas que trabalharam com amor para a realização desta grande festa. Valeu queridos Amigos, muito obrigado e que todos tenham a proteção de Deus. Veja as fotos na sequência dos fatos.